Mamoplastia de Redução

Este procedimento, denominado vulgarmente de Redução Mamária, consiste na diminuição do volume (excisando  tecido glandular, gordura e pele) e remodelação da mama.

Quase sempre é preservada a sensibilidade mamária e a capacidade de lactação, mas há exceções.

O padrão de cicatrizes é variável e depende de fatores como a forma e o volume a reduzir, o tipo de pele, a vontade e o perfil psicológico da paciente e, como sempre, da experiência do cirurgião; devendo cada caso ser discutido em conjunto na consulta.

O modelo de cicatrizes varia entre uma cicatriz em volta da aréola apenas; esta mais uma vertical, desde a aréola até ao sulco inframamário; e, finalmente, aquela que é chamada de T invertido, ou seja, o conjunto das anteriores associado a uma no sulco.

Indicada em casos em que a paciente se queixa de alterações posturais, dores mamárias, cervicais e no dorso; tem sulcos nos ombros feitos pelas alças dos sutiãs e/ou apresenta irritações recorrentes nos sulcos inframamários. Idealmente, não deve ser realizada senão após o final do crescimento, ou seja, por volta dos 16 anos de idade; mas há excepções.

Esta intervenção é realizada em regime de internamento, sob anestesia geral, e a paciente fica com drenos até ao dia seguinte.

Após alta hospitalar deverá fazer uso de analgesia oral em SOS, usar um soutien de contenção adequado (por 2 ou 3 meses) e pensos de silicone nas cicatrizes.

Às 2 semanas deve iniciar massagem de drenagem linfática e remodelação da mama e pode retomar a rotina diária após 1 mês e o exercício físico, sem restrições, após 1 mês e meio.

É fundamental evitar o consumo tabágico, antes e depois deste tipo de intervenção, de modo a minimizar as complicações.