Mamoplastia de Aumento

O Aumento Mamário consiste na colocação de uma prótese, de silicone ou de poliuretano (sendo esta última 30% mais leve do que a primeira), de modo a aumentar e remodelar a mama.

Recorre-se a este procedimento no caso de uma hipotrofia (seio pequeno), atrofia (seio vazio) ou ptose ligeira ou moderada (seio descaído).

A via de acesso pode ser realizada na axila, no bordo da aréola, no sulco sub-mamário ou por via abdominal (esta última quando se realiza simultaneamente uma abdominoplastia) e a forma da prótese pode variar, assim como o plano onde esta é colocada.

Tudo isso é decidido, em consulta, tendo em conta a opinião do cirurgião e a indicação, expectativa,  anatomia,  pele e modo de vida da paciente, podendo-se associar, se necessário, enxertos de gordura para se obter uma forma mais harmoniosa.

Aumento mamário apenas com gordura não preconizo dado o risco de desenvolvimento de nódulos cicatriciais que poderão ser confundidos com lesões malignas.

Este tipo de intervenção não interfere com o rastreio de cancro da mama nem com a amamentação.

Realiza-se sob anestesia geral, em regime de internamento, e no final da cirurgia a paciente fica, até ao dia seguinte, com um dreno de cada lado.

No período post-operatório preconiza-se o uso de analgesia oral em SOS, um soutien de contenção adequado ou nenhum, dependendo dos casos, e pensos de silicone nas cicatrizes.

Início de massagem local às 2 semanas, retorno à rotina diária após 1 mês e exercício físico sem restrições após 1 mês e meio. 

As complicações mais frequentes são a contratura capsular e a ruptura da prótese.