Abdominoplastia

Este procedimento cirúrgico consiste na remoção do excesso de pele abdominal e da gordura subjacente ao mesmo.

Por isso, o(a) paciente deverá ter o peso ideal à data desta intervenção para se obter o melhor resultado.

Muitas pessoas têm verdadeiros aventais abdominais de pele que causam tantas vezes desconforto, infecções cutâneas na prega e impossibilidade de usar determinado tipo de roupa; e isto para não falar dos problemas psicológicos e sociais que tal estado acarreta.

Associadamente, a existência de estrias e de flacidez com afastamento dos músculos abdominais (decorrentes de gravidezes, alterações hormonais e falta de exercício físico) é quase uma regra.

Por isso, quase sempre que se realiza esta intervenção corrige-se essa separação muscular de modo a que, corrigindo esse defeito, se melhore a sua silhueta.

 O complemento, com uma lipoaspiração limitada, é por vezes realizado para propiciar um resultado mais elegante.

Quando o paciente pretende o melhor resultado estético possível, essa lipoaspiração é  preterida, idealmente, para as 5 a 6 semanas após onde se realiza então uma lipoaspiração circunferencial do tronco.

A cicatriz, na região do púbis, é colocada de forma a ficar escondida pela cueca ou calção ficando apenas visível uma cicatriz pouco perceptível no umbigo.

Este procedimento é realizado sob anestesia geral ou epidural em regime de internamento.

É possível associar a esta intervenção a colocação de próteses mamárias, obviando-se assim as cicatrizes mamárias.

O paciente levanta-se no dia seguinte à cirurgia e geralmente, 2 dias após, são removidos os drenos aspirativos e tem alta do Hospital.

Medicação analgésica oral e antitrombótica (sempre que houver risco significativo), evicção tabágica e de esforços físicos, cinta de compressão elástica durante, pelo menos, 2 meses e massagem de drenagem linfática, com inicio às 2 semanas, são outros cuidados importantes.

A vida normal será retomada 1 mês após e o exercício físico às 6 semanas.